Páginas

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Dos meus melhores dias (ou talvez não)

Sempre ouvi dizer que magoamos as pessoas que amamos. Contudo, o contrário, ou seja, que alguém que nos ama nos magoe, tornava-se uma realidade demasiado improvável, pelos menos diante de uma pessoa tão crédula quanto eu.
Experiências recentes têm me levado a concluir que nem tudo é um mar de rosas, ou na pior das hipóteses, um mar de pampilos. Não existem pessoas minimamente perfeitas e poucos serão aqueles em que poderemos confiar. Diante disso, o aceitável seria que os seus fins justificassem os meios e não que os seus meios fossem independentes dos fins.
Alimentamos relações durante uma vida inteira, defendemos gente perante aqueles que nos são mais próximos, mas na primeira oportunidade somos atraiçoados. Não se importam com aquilo que possivelmente poderemos sentir, com as consequências adjacentes aos seus actos, nem mesmo até com o que os outros poderão pensar. O essencial é manter um orgulho ferido, alimentado com planos mesquinhas, ratoeiras cruéis e atitudes impensáveis, não esquecendo o principal motivo de tudo: prejudicar alguém. Assim sendo, acabamos por perceber que no nosso melhor pano caíu a nódoa, e que, basicamente, fizemos uma má escolha.
Sempre me considerei uma pessoa minimamente compreensiva e raras foram as vezes em que não defendi aqueles em que acreditava. Ao que parece, tal não foi respeitado, pelo que acabo por descobrir em mim uma veia (um tanto ou quanto) defensiva/ vingativa. Podem gritar aos sete ventos aquilo que bem entenderem, podem dizer palavras soltas sem eu ouvir, mas a partir do momento em que me prejudicam e magoam aqueles de quem eu gosto, a Madre Teresa de Calcutá é alguém de quem não sofri qualquer tipo de influência. Afinal, não tenho propriamente uma personalidade adaptável ao papel de vítima. Todos temos os nossos limites e alguém que não queremos na nossa vida.

5 comentários:

Daniela Pereira disse...

sabes... por norma quando vejo textos gigantes os meus olhos fogem deles, recusam-se a ler... Mas a maneira de como escreves... chamas-me tanto à atenção com as maneira fantástica de como escreves coisas com razão... Nunca um texto sobre "desilusão" me pareceu tão certo... É lamentável quando as pessoas assim agem... digamos que deveras revoltante e doloroso e enfim... cada um de nós tem maneiras diferentes de lidar com isto, como dizes todos temos os nossos limites e alguém que não queremos na nossa vida...

Patrícia disse...

Eu concordo com a Daniela. Às vezes é difícil que um texto assim a 'fugir para o comprido' nos chame à atenção. Mas tu escreves muito bem e tocaste num assunto que eu percebo bem.

As pessoas desiludem-nos e nós temos de ser suficientemente fortes e orgulhosas (no sentido de mostrarmos que gostamos de nós) para levantar a cabeça e ultrapassar a situação da melhorar maneira possível :)

Beijinhos

Crazy Girl. disse...

Foi na piscina, segundinhos (;
Nas piscinas de fama.

Mommy Gates disse...

Acho que tudo é um mar de rosas, pensa assim: as rosas têm espinhos.
Logo o mar tem o lado bom e o lado mau ;P

Sara Grilo disse...

Identifico-me com o que escreveste aqui. Eu sou durona e fria (ou finjo que sou), protejo os outros até não poder mais.
Mas há limites e temos que saber meter um STOP em certas coisas.