Páginas

domingo, 25 de junho de 2017

Sobre o amor


Nos últimos meses tenho aprendido umas coisas sobre o amor. Antes de mais, apraz-me dizer que deixei de o confundir com a obsessão e a ilusão. Aquelas que passam despercebidas, mas que nos consomem e fazem esquecer do que é realmente importante.
O amor deixa-nos com medo ao início, porque nos chama, porque nos enche e porque nos obriga a mudar hábitos e rotinas se o quisermos viver. Mas quando é o certo, faz com que não haja lugar para arrependimentos, independentemente daqueles dias em que algo correu menos bem.
O amor é atencioso, paciente, generoso e ilimitável. É ele que nos faz esquecer as teorias de conspiração e inseguranças parvas que criamos contra nós mesmos. É ele que nos ensina a dar o primeiro passo para os nossos objetivos e a seguir em frente, de cabeça erguida.
Mesmo naqueles momentos em que é protetor demais, o amor faz-nos felizes. Ele faz-me feliz e enche-me de orgulho a cada dia que passa. Às vezes tenho medo de o dizer em voz alta, confesso.

E este texto não podia ser mais lamechas.

sábado, 24 de junho de 2017

In love with




"Coques". Serão eles a minha tentação nos próximos tempos.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

À procura de um rumo


Sei que já passaram alguns meses desde a última vez que aqui escrevi, mas os últimos tempos têm sido atribulados. Pelo menos no que diz respeito ao campo profissional. Já sabia que não seria fácil encontrar trabalho na minha área, mas na verdade julgava este processo um pouco mais rápido. 
A motivação pós final da licenciatura dá, por vezes, lugar à pouca paciência, daquela que nos faz esquecer quem somos e o que queremos. Diariamente tenho de me esforçar para me relembrar daquilo que realmente guardo em mim, por entre a falta de oportunidades. Tenho inclusive tentado criar as minhas oportunidades, nas entrelinhas dos currículos, emails de apresentação, cartas de motivação e candidaturas espontâneas. Por isso, aguarda-se que a esperança seja mesmo a última a morrer e que esta luta não se prolongue por muito mais tempo. Wish me luck!

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Em branco


Muito ficou por viver entre os teus braços. Mas é tempo de deixar para trás o livro em branco que foi escrito. Ou pelo menos assim se espera.