Páginas

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Até um dia...

Disseram-me que os textos que escrevo para ti transmitem muitos mais sentimentos do que todos os outros. Concordo com isso, pois se assim não fosse, escreveria em vão, escreveria apenas por escrever, escreveria para ninguém, mas é para ti que eu escrevo. Escrevo-te pois é a única forma que encontro para te dizer tudo aquilo que não posso declarar junto de ti, tudo aquilo que não posso declarar com a minha mão eternamente dada à tua.
Partiste. Levaram-te para bem longe de mim, sem me darem qualquer tipo de oportunidade para te dizer "adeus", ou para, por e simplesmente te dizer "até um dia". Pior do que te visto partir, foi ter-te visto sofrer, como se estivesses a pagar por um pecado que não cometeste, como se partir fosse algo desejado pelo qual tivesses de lutar. Por mais que tente não consigo compreender tudo isto, não consigo perceber porque te fizeram sofrer assim, não aceito o facto de teres partido.
O mês de Maio chegou, e com ele vieram também muitas das minhas lágrimas, pois assim recordo ainda mais a tua partida, anseio ainda mais a tua presença. Sei que a desilusão te envolve por me veres chorar, mas talvez eu não seja assim tão forte como julgavas, talvez seja apenas mais uma humana no meio de tantas outras: fraca e abraçada por imensos pontos fracos. Talvez um dia, talvez um dia te venhas a orgulhar de mim quando as minhas lágrimas secarem, quando os meus sorrisos pelos quais sempre lutaste prevalecerem.
Simples palavras que muito dizem, tudo aquilo que não te posso dizer pois já não te encontras perto de mim. Assim termino mais um texto ao qual confio uma importante mensagem, assim te digo que jamais deixarei de te amar, assim te digo que sempre foste a pessoa por quem eu mais orgulho nutri. Até um dia...


À Estrelinha mais brilhante.

1 comentário:

Anónimo disse...

Lembra-te que a vida é um processo efémero, devemos encarar a morte com um passo para a frente e não como um passo para trás. Tenho a certeza que a tua estrelinha te quer ver feliz, e deve estar agradecida e completa por tudo aquilo que fez, aqui. E pode-se comprovar isso mesmo quando falas nela...

Sempre que te lembrares dela esboça um sorriso, porque existe apenas uma coisa má a morte. A vida dela foi repleta de coisas boas, lembra-te dela...