Páginas

sábado, 13 de março de 2010

Sem sentido, os caminhos

Queria tanto que estivesses aqui comigo. Queria poder dizer-te ao ouvido: "Gosto muito de ti", tal como sempre fazia. Queria ver o teu sorriso, ouvir a tua voz, sentir-te. Queria dar-te a mão, para percorrer contigo os caminhos que sempre percorríamos, caminhos esses que hoje já não brilham, já não têm luz, estão intactos apenas por estarem. Fazem-me sofrer quando percebo que os percorro sem ti.
Fazes-me falta. Já não tenho ninguém a quem dizer tudo o que me vai na alma. Aquilo que seriam segredos partilhados, hoje não passam de meros monólogos pensados. É óbvio que tenho amigos com quem muito partilho, e adoro-os, mas contigo era diferente. Dizia-te coisas mesmo antes de as admitir a mim mesma, tal como tu sempre reparaste.
Eu sabia que ia doer, apenas nunca pensei que fosse tão difícil como está a ser. Eu sei que é impossível voltares para mim, mas isso não significa que eu me esqueça de ti. Tu sabes onde estás...

À "Estrelinha" mais brilhante...

1 comentário:

Anónimo disse...

Só sentimos verdadeiramente falta das pessoas quando as perdemos... :s