Páginas

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Um verbo chamado viver


Tenho tanto em mim, que por vezes torna-se difícil conseguir lidar comigo mesma. São tantos os sonhos, os objetivos e as perspetivas. E deles advêm demasiados sentimentos, confusões mentais e perdas de identidade constantes. Como se todos os dias tudo ganhasse um novo sentido ou, por ventura, deixasse de o ter.
Mas sei que estes acontecimentos são um abraço do presente para a construção de um futuro melhor. Faz parte da vida e eu adoro aquilo em que a minha se está a transformar! É tão bom acordar com vontade de fazer, ser e conquistar, mesmo que nem sempre os que nos rodeiam e o mundo conspirem a meu favor.

Sem comentários: