Páginas

domingo, 5 de setembro de 2010

Cada pedaço teu


- Porque não?

As palavras foram proferidas, uma a uma, pelos teus lábios, mas nunca pelos teus olhos. Não as esperava ouvir e sei que foram suficientemente fortes para que a esperança caísse ali, sem que se pudesse voltar a erguer. Não as queria, pois de nada me serviriam, e não as merecia, porque jamais me indicariam um rumo. Qualquer “não” teria vindo em melhor altura, para que eu me abalasse também, de uma vez por todas.
A perfeição era uma meta a que não queria chegar e da qual me distanciava, a cada segundo, a cada deslize e a cada erro. Contudo, não seria imperfeita ao ponto de aceitar o teu amor, não daquela forma: um amor suplicado e que nunca me pertenceu.
Hoje relembro isto, mais uma vez. Não te julgo e não me repreendo por ter desejado que gostasses de mim da mesma forma que eu gostava de ti. E sabes, com o passar do tempo, sinto uma parte do meu coração vai ficando para trás, caindo, tal como a esperança o fez.
Sigo agora em frente, acentuando a minha imperfeição, mas um pouco mais leve e com uma expectativa diferente. Quando precisares de mim, estarei contigo, pois tudo aquilo que não levo, é a ti que pertence. Não faria qualquer sentido se assim não fosse…

5 comentários:

Catarina Sofia disse...

compreendo tão bem o texto.
por muito que gostemos de alguém, nunca conseguiremos fazer com que gostem de nós da mesma maneira, e teremos de aprender a viver com isso :x

VâniaSofia disse...

Desculpa , so agora vi os teus comentários , tive de ferias

Mas agradeço te imenso x) foste muito querida +_+

Lú Pinheiro disse...

Lindo texto...
bjinhos florzinha

Luh disse...

Que texto tão simples e,ao mesmo tempo,tão bonito...

Lacorrilha disse...

"Quando precisares de mim, estarei contigo, pois tudo aquilo que não levo, é a ti que pertence."
Gostei muito de ler.