Páginas

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Pro(ferir)



As barreiras foram impostas
Não por ele, não por nós, mas por mim
E o mais desejado, e o tudo
Era que nada continuasse assim.


Tu sabes, tu sabes o que importa,
Embora nem uma palavra, nada profiras.
Do medo, a paixão morta
Em cada gesto que atiras.

* * *

Estiveste hoje tão perto,
Estiveste hoje tão distante,
Em cada palavra derramada,
A admiração constante.

A dúvida também lá estava,
Em cada letra, em cada verso,
Pois também ela me impedia,
Num todo, numa metade, num terço.

Mantive-me longe,
Não por querer, mas porque sim
Medo, amor, felicidade,
Qual deles será o fim.

A alguém muito genuíno. A ti.
E isto, porque por alguma razão existem barreiras.

Sem comentários: