Páginas

domingo, 18 de abril de 2010

Engano

(Histórias de alguém...)

O segundos passam. Começo a perceber que sou capaz, começo a perceber que tenho a capacidade de fazer o que jamais imaginei, começo a perceber que nunca conheci verdadeiramente os meus limites. Tenho curiosidade para descobrir mais e mais, para me descobrir a mim mesma, algo que não fiz pois dediquei tanto o meu tempo a descobrir-te a ti, que acabei por me esquecer de me descobrir a mim, simplesmente porque pensei que era o que estava à vista de olhos, o que via todos os dias no espelho e tudo aquilo que as pessoas pensavam de mim. Enganei-me. Enganei-me e sinto-me feliz por isso, sem qualquer orgulho que me impeça de o admitir. Hoje eu sei que sou muito mais do que ideias pré-concebidas de quem quer que seja, sou muito mais do que aquilo que tu me dizias que eu era.
O presente representa um dia como qualquer outro, um dia em que o sol brilha lá fora, um dia em que as plantas e os animais, o mar e a areia da praia e o céu e estrelas convivem em perfeita harmonia, formando um todo sozinho. O presente representa o dia em que eu pego no pincel e acrescento um pouco mais de cor ao meu corpo, o dia em que eu abraço o meu coração de mil e uma tonalidades, um dia em que a minha alma está sozinha, sozinha mas feliz.
Eu gostei de ti. Este é um facto que jamais deverá ser contestado, um facto que jamais deverá sofrer a sobreposição dos ódios e dos rancores que ainda me assombram um pouco. Mas sabes, os pincéis vendem-se às centenas por onde quer que andemos e as cores estão e estarão sempre dentro de nós, dentro do nosso corpo, dentro do nosso coração e dentro da nossa alma. O meu único desejo que te remete é que encontres todas as tonalidades dentro de ti para que assim, pintes a tua felicidade com o pincel que eu te ofereci.

De um momento sincero, Lara Teles.

Sem comentários: